Um primo meu, o Nenê, que vive lá no Paraná, me manda um áudio analisando que Bolsonaro, “que quer ser um novo Hitler”, age de propósito usando a Pandemia para acelerar as mortes de idosos e aposentados e assim desonerar o País de gastos com os mesmos. Ele acha que Bolsonaro quer provocar uma guerra contra a sociedade e para isso libera a compra de armas e munições.

Difícil argumentar contra essa análise, pois o que vimos dias atrás, enquanto a pandemia crescia, para desespero dos prefeitos, secretários de saúde e familiares dos infectados e mortos, foi o presidente, no Carnaval, se divertindo nas praias de Santa Catarina e incentivando as pessoas a não participarem das medidas como usar máscaras, ficar em casa e evitar aglomerações, logo depois de assinar os famigerados decretos que ampliam a possibilidade das pessoas comprarem mais armas e munições. Ele resolveu pegar folga nestes dias, ria e se divertia, como quem não está nem aí para nada.

Bolsonaro é caso perdido. Não adianta a gente escrever sobre suas atitudes insanas e irresponsáveis. Ele é isso daí: um sociopata e genocida. Sociopata é um termo usado para descrever alguém que tem transtorno de personalidade anti-social. Pessoas com este transtorno, também chamado de sociopatia, não possuem empatia. Ele não conseguem entender os sentimentos das outras pessoas. E para configurar genocídio, é preciso haver intenção de destruir um grupo ou parte dele e alguns especialistas argumentam que a falta de ação de um governo para proteger parte da população também seria um ato criminoso. Negligência na condução das providências sérias que poderiam ser tomadas pelo governo, pouco caso e deboche contra medidas de isolamento, falta de vacinas, incentivo à uso de medicamentos sem eficácia… A lista é enorme.

Ontem à noite os noticiários davam que morreram 1.580 brasileiros nas últimas 24 horas. Minhas irmãs, que moram em Rondônia, me enviaram um vídeo onde o secretário estadual de saúde faz um apelo dramático para que os jovens, principalmente, respeitem as restrições e regras sanitárias, pois o sistema de saúde de lá entrou em colapso, com 100% de ocupação dos leitos hospitalares e sem mais condições de enviarem os pacientes para outros estados que também já estão na mesma situação. Ele alega que a cepa brasileira não ataca mortalmente só os mais idosos ou com saúde frágil, mas também os mais jovens e ela se propaga mais facilmente. Hoje, Miguel Nicolelis, o maior neurocientista brasileiro, deu entrevista (publicada hoje no O Globo) afirmando que sem um lockdown – proibição das pessoas saírem de casa – por alguns dias, o Brasil vai explodir. Mas, muitos governos resistem a tomar tais decisões para não afetar o comércio e a economia. É até compreensível esta preocupação, mas, diante das vidas que estão e serão ceifadas, é uma medida necessária, que requer coragem, como tem feito Edinho Silva, o prefeito petista de Araraquara, interior de São Paulo.

Bolsonaro já deveria ter sido impichado ou interditado. Motivos, como já listei acima, não faltam. Quem o mantém lá já é sócio, junto com ele, dessa tragédia que está fugindo do controle. E terão que responder por isso! Falo dos parlamentares do Congresso, que tem a prerrogativa de tomar a iniciativa de um processo de impeachment e não o fazem, mas também daqueles setores empresariais que se aproveitam para saquear os recursos naturais em busca de aumentar lucros imediatos (desmatadores e mineradoras, por exemplo), para adquirir as empresas estatais com as famigeradas privatizações, que especulam nas bolsas, dos que buscam lucro fácil e imediato com as ações do governo (indústria de armas, entre outros), dos falsos pastores-empresários das “igrejas” neopentecostais que oferecem seus serviços de manterem seus fiéis alienados em troca de isenções, de mais licenças de rádio e TV e verbas de publicidade para elas e dos dirigentes das corporações e estamentos do Estado (Forças Armadas, Judiciário, parlamento), com o aumento das benesses orçamentárias. Bolsonaro é usado por eles e os usa também para seus projetos e de sua familícia. Uma união de neoliberais e neofascistas. Enquanto isso a Nação derrete, a população paga um preço alto, com aumento da pobreza e do desemprego e com as centenas de milhares de vidas ceifadas, mesmo que alguns setores não o percebam ou não associam isso com as decisões e omissões do governo.

Mas, nós da Esquerda, das oposições sérias, dos setores populares organizados, os artista, cientistas, e cidadãos comuns conscientes, não podemos desanimar diante das adversidades da conjuntura e da correlação de forças a nós desfavoráveis no momento. Nós já sabiamos que com Bolsonaro e a extrema-direita no governo, iríamos ter um período de trevas. Só não prevíamos a Pandemia e como ela seria usada para acelerar e acobertar o processo de destruição nacional. Com união e persistência, vamos fazer contiuar a fazer a resistência ativa. Temos a nosso favor os exemplos da história que derrotou os fascitas e nazistas e agora, mais recentemente, os exemplos dos povos da Argentina, Chile, Bolívia, EUA, Equador que, por meios da Democracia, constroem outros caminhos!

(Também publicado nas páginas do facebook do autor: @SimaoPedroChiovetti.SP e @simaopedrochiovetti

auxílio Emergencial faz avaliação de Bolsonaro melhorar, mostra DataFolha
LULA RECUPEROU SEUS DIREITOS POLÍTICOS, MAS DECISÃO DO FACHIM (STF) FOI PARA SALVAR MORO
RSS
Follow by Email
YouTube
YouTube
Instagram

Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0