No mesmo dia em que saiu a pesquisa ibope mostrando a pior avaliação de Temer e do governo golpista e acontecia em todo país diversas manifestações reunindo novamente milhares de pessoas, contra reforma da previdência e retirada dos direitos trabalhistas, o maldoso resolve sancionar a lei da terceirização irrestrita para os setores público e privado. E por que decidiu rapidamente impor mais uma ação contra os trabalhadores e a classe média?

 

A sanção de Temer, às pressas, tenta matar dois coelhos com uma cajadada só. Com a terceirização irrestrita que atinge todas as atividades meio e fins, tanto na iniciativa privada quanto no setor público, será cada vez maior a queda do valor dos salários e a restrição da formalização do trabalho. A soma perversa da falta da carteira de trabalho e diminuição de renda impacta diretamente na Previdência Social que, aí sim, perderá recursos para manter o sistema funcionando para todos. A terceirização selvagem serve também como um atalho para acabar com as garantias trabalhistas determinadas pela CLT, como férias, 13º salário, licença maternidade, FGTS, etc.

 

Mas isso é só o começo. Temer e seus aliados sabem que a aprovação da terceirização selvagem pode deflagrar guerras jurídicas – tanto que o TST, mesmo presidido por um aliado seu, já prevê esse caminho e o STF também poder a interferir nessa decisão – ou demorar mais tempo para surtir o efeito pretendido pelos golpistas por conta das relações entre sindicatos e empresas. Por isso, o objetivo final é aprovar a reforma da previdência ainda esse semestre seguido da reforma trabalhista, ambos decretando o fim desses direitos dos trabalhadores.

 

O objetivo perverso principal visa sua manutenção no poder e o pagamento da fatura para os empresários e banqueiros que financiaram o golpe. Essa elite sempre se manteve com o Estado sob suas ordens, exceção nos governos petistas. Vender patrimônio e serviços públicos é sua especialidade e a conta é paga pelos mais pobres, trabalhadores e classe média. É uma ação muito bem articulada e medida passo a passo com apoio e conluio de boa parte do congresso Nacional, mídia tradicional, e atores do judiciário e ministério público. Ou seja, é o roteiro de Romero Jucá sendo concretizado.

 

Pesquisas feitas pelo IBGE, Fundação Seade e Dieese revelam que o desemprego já atingiu mais de 13,5 milhões de pessoas e pode chegar a marca de 15 milhões ainda nos próximos meses. A indústria e o comércio vêm fechando postos de trabalho e também o setor público. Mercado de trabalho ativo, salário mínimo e aposentadoria reajustados foi uma das fórmulas que garantiu o acesso a melhoria da qualidade de vida da maioria dos brasileiros nos últimos 14 anos. O que vemos agora é a destruição dessa realidade em apenas um ano. Temer acredita que está blindado para fazer o que quiser contra os pobres e trabalhadores. Ele só riscou o fósforo.

Dória: pequenas ações midiáticas e baixa gestão.
Cidade Linda e a queda do “gari” fantasiado
Compartilhe

Receba  Informativo

Você assinou nosso boletim com sucesso e em breve receberá correspondência !